Um dos principais patrimônios históricos desta cidade, a Casa de Câmara e Cadeia, abrigará o arquivo público municipal. Conforme o presidente da Câmara de Vereadores de Quixeramobim[bb], Carlos Alberto Mota, o Poder Legislativo[bb] funcionará no atual Fórum de Justiça da cidade. Não há como reformar e nem ampliar o atual prédio onde as sessões são realizadas. No plenário, situado no pavimento superior, não existe nem banheiro. Além de não haver espaço, o imóvel é tombado como patrimônio histórico nacional. Está situado no entorno da Igreja Matriz de Santo Antônio.

Segundo o prefeito de Quixeramobim, Edmilson Júnior, havia proposta de transferir a biblioteca pública[bb] para o prédio histórico. Porém, as escadarias são muito altas inviabilizando o acesso de cadeirantes e outros portadores de necessidades especiais. A melhor alternativa é realmente utilizar o espaço para guardar os documentos públicos[bb]. As obras do novo fórum deverão começar no início de 2011. O terreno já foi doado para o Governo do Estado e a contrapartida de sua administração está assegurada, em torno de R$ 400 mil. A nova edificação, onde funcionará o Poder Judiciário, custará em torno de R$ 4 milhões.

A notícia é recebida com entusiasmo pelos defensores do patrimônio histórico[bb] da cidade. Para a ex-secretária de Cultura do Município, Terezinha Oliveira, além da relevância por suas linhas arquitetônicas coloniais a Casa de Câmara é um marco de implantação do Município mais antigo do Sertão Central[bb]. “O uso a ser dado a ela deve ter afinidade com seu passado. Nada mais adequado do que receber as instalações do arquivo público, constituindo uma referência para estudiosos e público em geral”, acrescentou.

O historiador e professor Francisco Neto Camorim, presidente do Instituto do Patrimônio Histórico Cultural Natural e Artístico de Quixeramobim (Iphanaq), recebe a decisão com satisfação. Dessa forma, finalmente, o Município poderá manter seu próprio acervo cartorário. A sugestão de criar e transformar o espaço utilizado pela Câmara de Vereadores em arquivo municipal foi do Iphanaq. Além do apoio técnico do Núcleo de Documentação[bb] do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). “A Secretaria de Cultura do Estado possui documentos cartoriais, originais. Foram restaurados com o compromisso de serem devolvidos mediante a instalação do nosso arquivo”.

Além da luta de três anos pela implantação do Arquivo Público, o Iphanaq pretende implantar um laboratório de restauração dos documentos considerados históricos. Conforme o diretor administrativo da ONG, historiador[bb] Ailton Brasil, a proposta será apresentada ao chefe do Poder Executivo municipal. Uma equipe poderá ser treinada para trabalhar no processo de restauro e conservação. Poderão inclusive atender outras cidades da região, interessadas em preservar seus manuscritos e outros documentos considerados relevantes para a preservação da memória histórica.

A iniciativa da Prefeitura e da Câmara de Vereadores de Quixeramobim é elogiada pelo diretor do Arquivo Público do Ceará, historiador Henrique Jorge Barreira. Será a terceira cidade a contar com estrutura dessa natureza no Estado. Apenas Pacoti e Farias Brito possuem esse tipo de serviço.

O diretor ressalta haver diferença entre os arquivos obrigatoriamente mantidos pelas prefeituras e câmaras de vereadores e a ferramenta de recolhimento dos documentos públicos. Compete ao Arquivo Público preservar e divulgar documentos de valor histórico para referência e pesquisa. São correspondências, processos[bb], relatórios, inventários, mapas[bb], plantas e diversos outros documentos, emitidos pelos Poderes Executivo, Legislativo, Judiciário e, também, de particulares.

A expectativa é de que o novo Fórum de Justiça de Quixeramobim esteja construído ainda no primeiro semestre de 2011. Tão logo seja concluído e a Câmara de Vereadores transferida, o arquivo será implantado. O prefeito e o representante dos vereadores ressaltam a harmonia entre os dois poderes como importante para a viabilizar projetos de interesse do Município. O arquivo é um exemplo.

Fique por dentro
Edifícios do Brasil Colônia

Segundo historiadores, Casa da Câmara e Cadeia eram edifícios no período do Brasil colônia e parte do período imperial onde ficavam instalados os órgãos da administração pública municipal. Abrigava em geral a Câmara dos Vereadores e os órgãos a ela ligados, o juiz de Direito, o procurador, o tribunal, a guarda policial, chamada de “milícia” e a cadeia pública.

Essas Casas ficavam no centro das vilas ou cidades. O prédio continha, na maioria das vezes, dois pavimentos, várias salas e um plenário para reuniões dos vereadores e para julgamentos (sempre no segundo andar), sendo que no primeiro pavimento ficava a cadeia e a guarda. Em vários casos, as Casas de Câmara e Cadeia[bb] eram a única edificação pública nas vilas, funcionando assim como símbolo do poder público.

A de Quixeramobim teve seus trabalhos de construção iniciados em 1818. Foram concluídos 38 anos depois. Em 9 de fevereiro de 1972 foi tombada como patrimônio histórico nacional. No andar térreo funcionou a antiga cadeia pública, e sob um alpendre, um sino de bronze funcionou até o final dos anos 50.

Fonte: Diário do Nordeste

Prédio histórico será Arquivo Público de Quixeramobim (CE)

Uma ideia sobre “Prédio histórico será Arquivo Público de Quixeramobim (CE)

  • 6/02/2011 em 10:51
    Permalink

    o prefeito faz uma coisinha que vai servir de exemplo pra depois comer um dinheirao dos bestas.ô povo besta viu!elegam outro prefeito que roube menos do que esse edmilson junior…..

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*