Esta é uma questão que há alguns anos vem inquietando a comunidade de arquivistas e se aprofunda agora, em que o Projeto de Lei 4699/2012, que regulamenta a profissão do historiador avança. Este projeto cria atribuições que se assemelham e se sobrepõem a algumas atribuições da profissão de arquivista.

O assunto é também trazido à pauta em razão da recente aprovação da Lei de Acesso a Informação, que traz aos Arquivistas uma série de desafios, ensejando uma regulamentação profissional menos precária.

A Lei 6.546/78, regulamentada pelo Decreto 82.590/78, regulamenta as profissões de Arquivista e Técnico de Arquivo, porém esta regulamentação veio sem a desejável criação de um conselho profissional. Disso resulta uma série de problemas como a falta da gestão legal sobre a profissão, uma lei de regulamentação obsoleta, a inexistência de cursos de formação de Técnicos de Arquivo, a ausência da formação de Técnico de Arquivo no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT) do MEC, uma descrição inadequada e quase invisível na CBO – Classificação Brasileira de Ocupações, do MTE, além de enormes dificuldades de apoio e financiamento para programas de pós-graduação e pesquisa na arquivologia, cujos profissionais acabam (sem opções) realizando suas pesquisas e pós-graduações em áreas como história, biblioteconomia, comunicação, ciência da informação, administração etc.

Para termos uma ideia, o Técnico de Arquivo somente aparece na CBO enquanto sinônimo de Supervisor de Administração e Técnico de Museologia. Ambos sinônimos completamente e absurdamente inadequados.

Quanto ao Arquivista, este aparece exclusivamente misturado às atividades de um museólogo. Outro absurdo completo. Ambas as descrições estão completamente desalinhadas da legislação que regulamenta a profissão e que por sua vez já é obsoleta (34 anos).

Já no CNCT, as atribuições que seriam de um Técnico de Arquivo estão misturadas e diluídas nos cursos de TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO e TÉCNICO EM BIBLIOTECA.

Outro problema decorrente da ausência de um Conselho Profissional para Arquivistas e Técnicos de Arquivo é a dificuldade para obter registro junto às SRTE – Superintendências Regionais de Trabalho e Emprego, pois cada regional adota um critério. Algumas chegam a negar registro pelo fato de que a Lei de 1978 diz que os cursos de formação deverão ser “ministrados por entidades credenciadas pelo Conselho Federal de Mão-de-Obra, do Ministério do Trabalho”. A SRTE do Ceará, por exemplo,  alega que como o Conselho Federal de Mão-de-Obra não existe mais, não pode emitir registro. Veja o absurdo!

A mais recente tentativa a tramitar pelo congresso foi o Projeto de Lei 5613/2001 de autoria de Agnelo Queiroz, que acabou sendo arquivado pelo voto do relator Pedro Henry (Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público), condenado este ano pelos crimes de Lavagem de Dinheiro e Corrupção Passiva no julgamento do Mensalão. Esta citação ao mensalão não tem relação alguma com o objetivo deste texto, mas diante do desrespeito à profissão de arquivista que identifico nas palavras de seu veto, não deixo de nutrir certa satisfação pelo fim trágico de sua carreira política. Isso não é uma atitude nobre, eu sei, mas não é isso que busco com este pequeno texto.

O ideal seria termos um único Projeto de Lei, criando os Conselhos Federal e Regionais de Arquivologia, e atualizando a Lei que regulamenta a profissão de Arquivista e Técnicos de Arquivo, como, por exemplo, eliminando as longas 1110 horas mínimas obrigatórias para formar um Técnico de Arquivo, item que vem sendo considerado um dos principais empecilhos para novos cursos de formação. Esta carga horária equivale a quase três MBAs.

Vamos analisar abaixo os principais pontos do veto do relator:

“Entretanto, em que pese concordarmos com os objetivos básicos do projeto, discordamos da forma adotada para criação dos conselhos profissionais, principalmente por não oferecer bases concretas para se decidir quanto à necessidade dos órgãos que se pretende criar.”

“Assim, entendemos como essencial um estudo prévio sobre o número de profissionais técnicos e com formação superior, atuantes ou não, bem como sua distribuição geográfica no território nacional, para podermos avaliar, com um mínimo de acerto, a relação custo-benefício da criação dos conselhos.”

“Porém, não obstante termos tal entendimento, concentramos nossa atenção na questão do mérito, que envolve a análise da real necessidade e dos custos de criação dos Conselhos de Arquivologia, em função do número de profissionais efetivamente atuantes na área.”

A necessidade foi explicitada acima, a resumir:

1 – Nenhuma gestão legal sobre a profissão;

2 – Lei de regulamentação obsoleta;

3 – Inexistência de cursos de formação de Técnicos de Arquivo;

4 – A ausência da formação de Técnico de Arquivo no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT) do MEC;

5 – Descrição inadequada CBO – Classificação Brasileira de Ocupações, do MTE;

6 – Dificuldades de apoio e financiamento para programas de pós-graduação e pesquisa para o Arquivista

7 – Dificuldade para obter registro (especialmente para Técnico de Arquivo) junto às SRTEs

De 2001, quando o projeto foi apresentado até hoje, o número de Universidades com graduação em Arquivologia passou de 8 para 16. Além disso, hoje temos cursos em Universidades de todas as regiões do país, segundo quadro abaixo:

Regiões

Norte

Nordeste

Sul

Sudeste

Centro-Oeste

Universidades

UFAM

UFBA

UFSM

UNIRIO

UNB

UFPA

UEPB

UEL

UFF

UFPB

UFRGS

UFES

FURG

UNESP

UFSC

UFMG

Total

2

3

5

5

1

No contexto nacional, os cursos de Arquivologia estão representados em oito dos dez estados brasileiros com maior contribuição ao PIB.

 

A soma de vagas oferecidas nestes cursos anualmente é de mais de 800 vagas, o que projeta um forte crescimento do número de arquivistas que estarão no mercado, carentes de um órgão que oriente, discipline e fiscalize o exercício da profissão de Arquivista, que zele pela fiel observância dos princípios de ética e disciplina da classe em todo o território nacional, bem como pugne pelo aperfeiçoamento do exercício da profissão de Arquivista.

 

Um último argumento apresentado pelo relator tem a ver com a questão da iniciativa de leis desta natureza, de criação de conselhos profissionais.

“Soma-se a isto o fato de que pode vir a ser questionada, na Comissão de Constituição e Justiça e de Redação – CCJR, a constitucionalidade da proposição, tendo-se em vista que decisão liminar do Supremo Tribunal Federal suspendeu os efeitos de parte do art. 58 da Lei nº 9.649/98, retornando ao Poder Executivo a exclusividade da iniciativa de leis que visem à criação de conselhos de fiscalização de profissões regulamentadas”

Aparentemente disso não temos como escapar. O projeto de Lei tem que ser encaminhado pelo Executivo.

O Conselho recém criado em 2010 para os Arquitetos, o CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo), teve um projeto de lei vetado pelo governo federal justamente por este motivo: Vício de iniciativa. Porém ao concordar com o mérito da criação, o executivo reencaminhou o mesmo projeto para apreciação em regime de urgência no congresso. Enxergo aí duas opções:

1 – Resgatar a moção número 6 aprovada na plenária final da Conferência Nacional de Arquivos, a saber: “A Plenária da I CNARQ apóia a criação do Conselho Federal de Arquivologia.”, e solicitar ao Ministério da Justiça que encaminhe um Projeto de Lei ao Congresso.

2 – Solicitar ao Ministério do Trabalho que encaminhe o projeto.

De qualquer maneira, em ambas as opções, os profissionais teriam que se colocar como protagonista da elaboração do conteúdo do projeto, mitigando os riscos de um projeto elaborado burocraticamente por pessoas distanciadas da profissão que resulte num instrumento legal inócuo ou maléfico à profissão.

Uma das questões importante seria elencar atualmente quais seriam as atribuições do Arquivista e do Técnico de Arquivo. Além disso, uma sugestão é que se evidencie no texto legal a necessidade da supervisão ou gerência dos Técnicos de Arquivo por Arquivistas.

Encerro este pequeno texto com uma reflexão inicial, para a qual gostaria de receber toda e qualquer sugestão possível. É bom irmos amadurecendo este ponto para quando a janela de oportunidade aparecer.

Art. 2º – São atribuições dos Arquivistas:

I – planejamento, organização e direção de serviços de arquivo e gestão documental;

II – elaboração e implantação de políticas arquivísticas e de gestão documental;

III – planejamento, orientação e direção das atividades de identificação das espécies documentais e elaboração de instrumentos de gestão documental, como planos de classificação e tabelas de temporalidade;

IV – planejamento, organização e direção de serviços ou centros de documentação e informação constituídos de acervos arquivísticos e/ou mistos;

V – planejamento, organização e direção de serviços de microfilmagem e digitalização aplicada aos arquivos, bem como projetos e atividades de reformatação de suporte de qualquer natureza;

VI – orientação quanto à classificação, arranjo e descrição de documentos;

VII – orientação da avaliação e seleção de documentos, para fins de preservação da memória corporativa e institucional;

VIII – orientação quantos aos serviços de protocolo e procedimentos relacionados à gestão de processos administrativos;

IX – Assessorar demais profissionais quanto à gestão de registros documentais, inclusive os armazenados em sistemas eletrônicos;

X – promoção de medidas necessárias à conservação de documentos;

XI – elaboração de pareceres e trabalhos de complexidade sobre assuntos arquivísticos;

XII – assessoramento aos trabalhos de pesquisa científica ou técnico-administrativa;

XIII – treinamento, ensino, pesquisa e extensão universitária; e

XIV – produção e divulgação técnica especializada;

XV – supervisionar e orientar as atividades dos Técnicos de Arquivo.

Art. 3º – São atribuições dos Técnicos de Arquivo:

I – recebimento, registro e distribuição dos documentos, bem como controle de sua movimentação;

II – classificação, arranjo, descrição e execução de demais tarefas necessárias à guarda e conservação dos documentos, assim como prestação de informações relativas aos mesmos;

III – preparação de documentos de arquivos para microfilmagem, digitalização e qualquer outra rotina de reformatação de suporte; e

IV – executar serviços de protocolo e procedimentos relacionados à gestão de processos administrativos, sob supervisão e orientação de um Arquivista;

 

Conselho Profissional de Arquivologia – Quem sabe faz a hora!

14 ideias sobre “Conselho Profissional de Arquivologia – Quem sabe faz a hora!

  • 20/12/2012 em 10:19
    Permalink

    Daniel
    Parabens pela tua iniciativa.
    Um dos textos mais inteligentes nos últimos tempos sobre a profissão de arquivista.
    Temos que unir esforços para a criação do Conselho Profissional dos Arquivistas.Gostaria de saber se podemos divulgar teu texto no site da AARS.

    Resposta
  • 20/12/2012 em 14:32
    Permalink

    Clara, fico feliz pelo feedback. Precisamos descentralizar e aprofundar estas discussões realmente.

    Nem precisa pedir…está na internet, está em todo lugar. Fique a vontade.

    Resposta
  • 20/12/2012 em 18:13
    Permalink

    Importante para nós arquivistas em formação e os formados, só assim vai ser reconhecido a profissão e fiscalizado.

    Resposta
  • 21/12/2012 em 15:28
    Permalink

    Parabéns….! Nosso desejo que se concretize a criação de nosso Conselho.

    Resposta
  • 30/12/2012 em 09:48
    Permalink

    Daniel, parabéns pelo texto!

    Precisamos fazer com que esse movimento ganhe força, para tal sugiro que seja criada uma comissão com representantes em cada estado, para que possam se reunir(que seja online inicialmente) e se organizarem e assim falarmos uma só língua em direção aos tencionamentos que se fizerem necessários, aos órgãos oficiais de cada região. Acredito que com atitudes de união e organização, conseguiremos de fato fazer com que nossos anseios saiam definitivamente do papel e se tornem oficiais e regulamentadas.

    Resposta
  • 17/01/2013 em 13:54
    Permalink

    Daniel parabéns pelo texto, concordo plenamente. Acredito que devemos colocar esse ponto em pauta no Fórum dos Arquivistas das IFES para que seja aprovado enquanto bandeira dos ARQUIFES.

    Resposta
  • 24/01/2013 em 12:58
    Permalink

    Obrigado Renato,

    Acho uma excelente idéia!

    Resposta
  • 16/04/2013 em 16:51
    Permalink

    Daniel, parabéns pelo texto. Icentivado pelo mesmo e pelas discussões internas da ENARA, a AABA esta planejando a criação de um fórum para discutirmos esta questão e produzirmos um documento que contemple o desejo amplo dos arquivistas locais e/ou regional (NE), a fim de encaminhar a Executiva Nacional. Vamos aguardar que outras Associações se manifestem da mesma forma para que formemos bases de apoio para consolidação de nova proposta de projeto para criação do Conselho. Prepare-se, pois em algum momento podemos solicitar sua ajuda, que inicialmente seria a autorização de citar seu texto em algum momento oportuno de nossas mobilizações. Grato.

    Resposta
  • 1/05/2013 em 23:16
    Permalink

    Olá ! Gostaria de saber se ha alguma legislação que atribua Exclusivamente as funções de arquivo numa empresa ao profissional de Arquivologia ( Bacharel ou técnico) Agradecida.

    Resposta
  • 27/06/2013 em 14:24
    Permalink

    Daniel, o que fazermos em direção a algo concreto? Suas propostas me parecem boas, mas sinto falta de uma mobilização da classe arquivística. O Conselho é fundamental para nos proteger frente às invasões históricas que sofremos, tanto na iniciativa privada quanto na pública.
    A retórica quanto aos impedimentos é a mesma há mais de vinte anos! Acho que você, que é arquivista, é o que com mais veemência e vontade de fazer vem demonstrando coerência nesse objetivo, que creio, é o desejo de toda a classe. Isso é condição para que ocorra respeito à nossa profissão.
    Me coloco à disposição para ajudar no que for necessário.Vamos à ação!

    Resposta
  • 13/08/2013 em 11:25
    Permalink

    Parabéns pela iniciativa!
    Uma profissão com 35 anos necessita impreterivelmente de um conselho profissional que dê mais credibilidade e valorização a das reais atividades que vem a desenvolver tanto o Arquivista, quanto o Técnico em Arquivo.
    Estamos juntos nesta jornada.

    Resposta
  • 16/03/2016 em 09:58
    Permalink

    Daniel, excelente sua explanação. Esse texto é de 2012 e gostaria de saber qual sua visão, em 2016, sobre os avanços ou retrocessos ocorridos ou não ao longo desses anos. Muito obrigada e parabéns!

    Resposta
  • 24/06/2016 em 11:35
    Permalink

    Fiz arquivologia na UEL não consegui emprego,então fiz biblioteconomia Uel e estou desempregada, prestei concursos (municipal e estadual) era para ser chamada mas não fui, pedi ajuda ao Conselho Federal e Regional de Biblioteconomia e nada.
    Não ha Bibliotecario nas Bibliotecas Escolares do Estado (SP)e Municipal, e muitas Bibliotecas Publicas sem bibliotecario, acredite conselho não ira resolver.

    Resposta
  • 19/09/2016 em 10:40
    Permalink

    Parabéns pela reflexão.
    Talvez um bom caminho para a efetivação da formação Técnico de Arquivos fossem cursos para atividades específicas. Um curso que oferecesse noções gerais de Arquivologia mas que tivesse foco em áreas específicas, possibilitando um curso mais curto e de maior especialização. Formar alguém capaz de entender as atividades de um Arquivo, mas que fosse especialista em conservação, ou documentos digitais, por exemplo. Talvez pensar no Tecnólogo em lugar do Técnico, ou as duas coisas. O fato é que carecemos de pessoal mais qualificado para as atividades cotidianas, para atuar como gestor o arquivista precisa de pessoal que consiga executar as tarefas com desenvoltura, o que somente ocorrerá com o conhecimento necessário. Atualmente, vemos muitos arquivistas desempenhando tarefas técnicas sob a coordenação de um outro arquivista, o que não é de todo ruim, para adquirir experiência, desde que seja por um período determinado, quando poderiam estar trabalhando em conjunto na melhoria da gestão das atividades.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*