O livro Ontologia Digital Arquivística, lançado por Charlley Luz, professor de Tecnologia Arquivística da pós-graduação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) recebe mais de 700 leituras em sua primeira semana de lançamento.

O livro, resultado de pesquisas desenvolvidas junto à ECA-USP (Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo), mostra que a informação digital possui uma série de recursos que, se combinados, potencializam seu alcance e facilita a vida do usuário dessa informação.

Como achado da pesquisa o professor constatou que a tecnologia digital cria padrões de descrição dos documentos, que são representados por meio de metadados, e isto estimula a criação de ontologias leves com potencial uso no processamento de dados e na interoperabilidade. O livro apresenta este caminho, desde como interoperabilizar a informação digital, tanto para a difusão cultural como para a preservação a longo prazo em sistemas de gestão de documentos e na internet. Até mostrar que a descrição arquivística permite acesso à informação arquivística registrada e é capaz de fornecer dados acerca do contexto de produção documental para sistemas de arquivo e para a Web 3.0.

Padrões Arquivísticos

Para o estudo que culminou nesta publicação foram utilizados os padrões dos sistemas informatizados de arquivos, como o Sistema Informatizado de Gestão Arquivística de Documentos (SIGAD) e Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos (e-ARQ), além dos Repositórios Digitais Confiáveis Arquivísticos (RDCArq) e o Modelo Record Continuum.

As ontologias têm seu papel na estruturação dos domínios de conhecimento e cresce seu uso na tecnologia digital. Por isso aborda-se sobre as características das ontologias, cujo as leves podem resultar do uso de padrões arquivísticos. O resultado disso pode ser considerado uma Knowledge Organization System (KOS).

O estudo mostra os padrões arquivísticos e a descrição arquivística. Para isso, trata de identificar a descrição arquivística como base para ontologias leves. Como grande achado dessa pesquisa, viu ser possível a utilização de elementos de metadados para a estruturação de ontologia capaz de representar o contexto e a estrutura de arquivos. Além disso, pode colaborar na disseminação da Informação arquivística, estruturando a Ontologia Digital Arquivística.

Para a arquivística, é possível a aplicação de ontologias para auxiliar na manutenção da cadeia de custódia e do contexto da informação arquivística e do documento arquivístico, além de seu uso na difusão e na preservação digital em longo prazo, tanto em sistemas de arquivo quanto na rede mundial de computadores. O livro tem leitura gratuita e venda de ebook no link http://bit.ly/ontologiaDigital

Novo livro na área: Ontologia Digital Arquivística
Classificado como:        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*